Exchange
Blockchain e exchange de criptomoedas
Academy
Educação sobre blockchain e criptomoedas
Corretor
Soluções de plataformas de trading
Charity
Charity
Cloud
Soluções para exchanges corporativas
DEX
Troca de ativos rápida e segura
Labs
Incubadora dos melhores projetos de blockchain
Launchpad
Plataforma de lançamento de Tokens
Research
Análises e relatórios de nível institucional
Trust Wallet
Carteira de criptomoedas oficial da Binance
Compre Cripto
Mercados
Escaneie e faça o Download do App para iOS e Android
Download
English
USD
Blog Binance
Notícias e atualizações da maior exchange de criptomoedas do mundial
Março foi o mês de consolidação do valor total de mercado do Bitcoin em US $1 trilhão
2021-4-9

Em fevereiro, o Bitcoin atingiu pela primeira vez na história o valor total de mercado superior a US $1 trilhão e, a partir de março, o ativo consolidou esse valor total de mercado, permanecendo a maior parte do tempo neste patamar. Além disso, foi transacionando mais de 1,98 milhão de BTCs com o valor total de mercado acima de US$ 1 trilhão, o equivalente a 10,6% do fornecimento circulante. Impressionantemente, este volume on-chain formou um dos níveis de suporte mais fortes, depois dos patamares de US $11k / US $12k, como podemos ver no gráfico abaixo.

Os fundamentos da rede: crescimento, atividade e poder computacional seguiram demonstrando consistência. Com destaque para a força computacional que atingiu uma nova máxima histórica. A atitude acumuladora ainda demonstra fôlego, mas já não apresenta a mesma força do começo do ano. Já a liquidez vem perdendo força desde o começo do ano e sugere precaução. Vejamos em detalhes.

Crescimento da Rede

Depois de atingir em janeiro o maior patamar após 2017, o número de novos endereços que fizeram transações pela primeira vez na rede cedeu um pouco, mas mesmo assim vem mantendo um patamar bastante alto, dando força a este indicador.

Atividade da Rede

Depois de atingir em janeiro uma nova máxima histórica, o número de endereços ativos na rede cedeu um pouco, mas ainda assim vem mantendo um patamar bastante alto, dando força a esse indicador.

Liquidez na Rede

O número de transações realizadas em conjunto com tamanho do mempool nos dá uma ideia sobre a liquidez e/ou a congestão na rede. O mempool é o local onde todas as transações válidas aguardam para serem confirmadas pela rede Bitcoin. Um tamanho muito alto de mempool indica congestão na rede.

A liquidez da rede é um indicador que não apresenta melhora já há algum tempo, vemos que o número de transações cedeu no mês de março. Isso somado ao mempool com um aumento de congestão na rede desde janeiro, nada em patamares extremos, mas persistente até o final de março, preocupa e nos dá uma indicação negativa para este indicador.

Poder Computacional da rede

O poder computacional que já tinha atingido uma nova máxima histórica em janeiro, renovado em fevereiro, atingiu novamente a máxima histórica em 25 de março para 166,54 TH/s. A rede segue cada vez mais segura nestes patamares de força computacional, com uma demonstração de muita força para este indicador.

Atitude Acumuladora

O Stablecoin Supply Ratio (SSR) é a relação entre o fornecimento de Bitcoin e o fornecimento de stablecoins calculado da seguinte forma: Bitcoin Market Cap / Stablecoin Market Cap. O cálculo considera as seguintes stablecoins: USDT, TUSD, USDC, PAX, GUSD, DAI, SAI e BUSD (todas pareadas ao dólar). Quando o SSR é baixo, indica mais "poder de compra" de BTC. Ele serve como um indicador para a mecânica de oferta E demanda entre BTC e stablecoins. Este indicador mostrou que a força compradora que começava a perder força no final do ano passado, ou seja SSR subindo, desde janeiro vem se mantendo no mesmo patamar, ainda que haja uma significativa subida no preço do ativo, o que indica que ainda temos um bom fôlego neste ciclo de expansão do Bitcoin.

O número de endereços com um balanço maior ou igual 1.000 bitcoins, mais de US$50 milhões, sofreu uma queda acentuada durante o mês de março. Isso indica que as “baleias” já estão realizando parte de seus lucros, atitude negativa para o fundamento de acumulação. 

No entanto, no gráfico abaixo podemos ver que os "tubarões" (> 500 BTC), “golfinhos” (> 100 BTC) e “camarões” (< 1 BTC) aumentaram suas posições em março. Já os “peixes” (> 50 BTC) e os “polvos” (>10 BTC) também diminuíram suas posições neste último mês.

Dessa forma, vemos sinais conflitantes no fundamento de atitude acumuladora, o que sugere também precaução para novos aportes.


Conclusão

Como visto, temos o indicador de liquidez trazendo um sinal de alerta e a atitude acumuladora mostra sinais conflitantes, demonstrando uma fase inicial e lenta de esgotamento do ciclo de expansão do Bitcoin. Todos os demais seguem robustos, indicando que estamos no estágio intermediário do ciclo de expansão que iniciou em 2019.

O Market Cap / Thermocap, gráfico abaixo, pode ser usado para avaliar se o preço do ativo está sendo negociado atualmente com um prêmio em relação ao total gasto com segurança pelos mineradores. A proporção é ajustada para levar em conta o aumento da oferta circulante com o tempo.

Este indicador confirma que o Bitcoin está em uma fase intermediária de um ciclo de expansão. Se compararmos ao ciclo anterior encerrado em 2017, podemos ver que ainda temos boa parte do ciclo pela frente, mas vale lembrar que nesta fase intermediária correções significativas, como vistas em janeiro e fevereiro, ocorrem com mais frequência, então o investidor deve ter cautela e escolher o momento correto para novos aportes.



Blog Binance
Notícias e atualizações da maior exchange de criptomoedas do mundial
Apr 09
2021
Março foi o mês de consolidação do valor total de mercado do Bitcoin em US $1 trilhão

Em fevereiro, o Bitcoin atingiu pela primeira vez na história o valor total de mercado superior a US $1 trilhão e, a partir de março, o ativo consolidou esse valor total de mercado, permanecendo a maior parte do tempo neste patamar. Além disso, foi transacionando mais de 1,98 milhão de BTCs com o valor total de mercado acima de US$ 1 trilhão, o equivalente a 10,6% do fornecimento circulante. Impressionantemente, este volume on-chain formou um dos níveis de suporte mais fortes, depois dos patamares de US $11k / US $12k, como podemos ver no gráfico abaixo.

Os fundamentos da rede: crescimento, atividade e poder computacional seguiram demonstrando consistência. Com destaque para a força computacional que atingiu uma nova máxima histórica. A atitude acumuladora ainda demonstra fôlego, mas já não apresenta a mesma força do começo do ano. Já a liquidez vem perdendo força desde o começo do ano e sugere precaução. Vejamos em detalhes.

Crescimento da Rede

Depois de atingir em janeiro o maior patamar após 2017, o número de novos endereços que fizeram transações pela primeira vez na rede cedeu um pouco, mas mesmo assim vem mantendo um patamar bastante alto, dando força a este indicador.

Atividade da Rede

Depois de atingir em janeiro uma nova máxima histórica, o número de endereços ativos na rede cedeu um pouco, mas ainda assim vem mantendo um patamar bastante alto, dando força a esse indicador.

Liquidez na Rede

O número de transações realizadas em conjunto com tamanho do mempool nos dá uma ideia sobre a liquidez e/ou a congestão na rede. O mempool é o local onde todas as transações válidas aguardam para serem confirmadas pela rede Bitcoin. Um tamanho muito alto de mempool indica congestão na rede.

A liquidez da rede é um indicador que não apresenta melhora já há algum tempo, vemos que o número de transações cedeu no mês de março. Isso somado ao mempool com um aumento de congestão na rede desde janeiro, nada em patamares extremos, mas persistente até o final de março, preocupa e nos dá uma indicação negativa para este indicador.

Poder Computacional da rede

O poder computacional que já tinha atingido uma nova máxima histórica em janeiro, renovado em fevereiro, atingiu novamente a máxima histórica em 25 de março para 166,54 TH/s. A rede segue cada vez mais segura nestes patamares de força computacional, com uma demonstração de muita força para este indicador.

Atitude Acumuladora

O Stablecoin Supply Ratio (SSR) é a relação entre o fornecimento de Bitcoin e o fornecimento de stablecoins calculado da seguinte forma: Bitcoin Market Cap / Stablecoin Market Cap. O cálculo considera as seguintes stablecoins: USDT, TUSD, USDC, PAX, GUSD, DAI, SAI e BUSD (todas pareadas ao dólar). Quando o SSR é baixo, indica mais "poder de compra" de BTC. Ele serve como um indicador para a mecânica de oferta E demanda entre BTC e stablecoins. Este indicador mostrou que a força compradora que começava a perder força no final do ano passado, ou seja SSR subindo, desde janeiro vem se mantendo no mesmo patamar, ainda que haja uma significativa subida no preço do ativo, o que indica que ainda temos um bom fôlego neste ciclo de expansão do Bitcoin.

O número de endereços com um balanço maior ou igual 1.000 bitcoins, mais de US$50 milhões, sofreu uma queda acentuada durante o mês de março. Isso indica que as “baleias” já estão realizando parte de seus lucros, atitude negativa para o fundamento de acumulação. 

No entanto, no gráfico abaixo podemos ver que os "tubarões" (> 500 BTC), “golfinhos” (> 100 BTC) e “camarões” (< 1 BTC) aumentaram suas posições em março. Já os “peixes” (> 50 BTC) e os “polvos” (>10 BTC) também diminuíram suas posições neste último mês.

Dessa forma, vemos sinais conflitantes no fundamento de atitude acumuladora, o que sugere também precaução para novos aportes.


Conclusão

Como visto, temos o indicador de liquidez trazendo um sinal de alerta e a atitude acumuladora mostra sinais conflitantes, demonstrando uma fase inicial e lenta de esgotamento do ciclo de expansão do Bitcoin. Todos os demais seguem robustos, indicando que estamos no estágio intermediário do ciclo de expansão que iniciou em 2019.

O Market Cap / Thermocap, gráfico abaixo, pode ser usado para avaliar se o preço do ativo está sendo negociado atualmente com um prêmio em relação ao total gasto com segurança pelos mineradores. A proporção é ajustada para levar em conta o aumento da oferta circulante com o tempo.

Este indicador confirma que o Bitcoin está em uma fase intermediária de um ciclo de expansão. Se compararmos ao ciclo anterior encerrado em 2017, podemos ver que ainda temos boa parte do ciclo pela frente, mas vale lembrar que nesta fase intermediária correções significativas, como vistas em janeiro e fevereiro, ocorrem com mais frequência, então o investidor deve ter cautela e escolher o momento correto para novos aportes.