Exchange
Blockchain e exchange de criptomoedas
Academy
Educação sobre blockchain e criptomoedas
Corretor
Soluções de plataformas de trading
Charity
Charity
Cloud
Soluções para exchanges corporativas
DEX
Troca de ativos rápida e segura
Labs
Incubadora dos melhores projetos de blockchain
Launchpad
Plataforma de lançamento de Tokens
Research
Análises e relatórios de nível institucional
Trust Wallet
Carteira de criptomoedas oficial da Binance
Compre Cripto
Mercados
Escaneie e faça o Download do App para iOS e Android
Download
English
USD
Blog Binance
Notícias e atualizações da maior exchange de criptomoedas do mundial
Qual é o lastro do Bitcoin?
2021-2-6


Assim como o bitcoin possui uma enorme comunidade que apoia e incentiva o uso da moeda, há um outro grupo de pessoas que insistem em levantar questionamentos sobre o ativo. O contraponto de opiniões é válido porque ajuda a entender os pontos positivos e negativos da tecnologia, além de gerar dados que podem ser usados para a evolução do mercado.

Um dos mais conhecidos questionamentos em relação ao bitcoin é sobre lastro. Afinal, o bitcoin precisa de um lastro? O que isso quer dizer? Como funciona o lastro com as moedas do governo?

Ao ler este artigo, você vai ter estas e outras perguntas respondidas!


O que é lastro?

Nem sempre o dinheiro teve o formato em notas de papel, assim como o conhecemos. Antigamente, produtos e serviços podiam ser pagos com metais preciosos, como ouro e prata.

Mas imagine como seria perigoso manter uma grande quantidade de ouro em uma mudança há séculos atrás, onde viagens eram feitas com carruagens e cavalos; sem contar na possibilidade de encontrar saqueadores pelo caminho.

Para reduzir os riscos do transporte dos metais preciosos e outros bens de valor, entidades faziam a custódia dos ativos e emitiam um certificado ao proprietário, que podia resgatar a mesma quantidade ao apresentar aquele certificado.

Pense como era mais fácil armazenar o documento de forma segura, além da facilidade de se locomover com um alto valor sem precisar de carruagens e mais pessoas para cuidar da segurança.

A possibilidade de emitir um certificado desses em um estado e resgatar a mesma quantidade de ouro em um outro estado, numa entidade que também legitimava a sua veracidade, flexibilizou e ajudou até mesmo o crescimento de cidades e economias.

Com o tempo, os governos começaram a emitir as notas de papel, que possui uma ideia bem parecida com o que vimos acima: cada país emitia as cédulas que representavam o valor que possuíam em reservas de ouro. Essa relação entre a reserva de ouro e o dinheiro emitido era o lastro.

Sendo assim, os países não podiam emitir dinheiro descontroladamente, já que para cada nota era necessário garantir uma reserva equivalente ao metal físico. Esse sistema monetário ficou conhecido como padrão-ouro.


As moedas do governo são lastreadas?

Antes de falarmos do bitcoin, é interessante entendermos o que aconteceu com o lastro das moedas estatais.

Principalmente em períodos de guerra, os países desrespeitaram o padrão de emissão que vimos. A fim de custear equipamentos de combate, o padrão-ouro era esquecido e mais dinheiro era gerado na ânsia de obter a vitória.

No final da primeira guerra mundial, as reservas de ouro de muitos países ficaram escassas ao usá-las com gastos militares durante o conflito, sendo inviável a continuação do padrão-ouro.

Em 1944, uma nova ordem monetária envolvendo 45 países definiu que o valor de referência para os países deveria ser o dólar estadunidense. Em resumo, esta ordem tentou viabilizar o dólar como o novo lastro para as moedas dos países participantes.

Mas outra guerra fez com que o novo padrão fosse descontinuado. Em 1971, o então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, abandonou o sistema de lastro em dólar para assim facilitar o custeio da guerra do Vietnã.

Desde então, as moedas estatais não possuem um lastro, sendo que as políticas econômicas e monetárias estipulam a emissão das moedas. Basta vermos o ano de 2020, onde trilhões de dólares foram impressos pelo mundo a fim de conter a pandemia da COVID-19.

Em 2021, os Estados Unidos estudam a emissão de quase dois trilhões de dólares de auxílios para a recuperação pós-pandemia. Não existe nenhuma reserva de ativos físicos que se relacione com essa emissão.

Hoje em dia, os governos emitem dinheiro simplesmente se baseando na confiança que o povo de sua nação dá ao estado, ou até mesmo ao forçar, por lei, que o dinheiro nacional seja usado. Assim, a era do dinheiro lastreado ficou no passado...


Afinal, o Bitcoin é lastreado?

Neste ponto, você já deve ter percebido que cobrar o lastro de uma criptomoeda em um mundo que não possui seu dinheiro estatal lastreado faz pouco sentido.

Além disso, o código do bitcoin foi criado com um sistema fixo de emissão de moedas. Diferente do que pode acontecer com as nações pelo globo, não é possível que uma autoridade ou governo decida emitir mais bitcoins.

O número máximo de bitcoins existentes serão 21 milhões de unidades. Sendo assim, o sistema monetário é fixo e previsível. A cada quatro anos, a taxa de emissão das moedas cai pela metade. Não é necessário pôr nossa confiança em pessoas, já que a interferência humana no protocolo do bitcoin não acontece como no sistema financeiro estatal.

A emissão controlada do bitcoin é um dos fatores que faz com que ele tenha se tornado um ativo atrativo aos investidores.

Vale a pena terminar lembrando que a emissão descontrolada de dinheiro fiduciário faz com que o poder de compra do dinheiro convencional seja menor. Uma das comprovações disso é a análise do aumento de preços após a criação de políticas como o “Auxílio Emergencial”. Como o bitcoin reduz o número de emissão com o passar do tempo, a tendência é que ele se valorize frente às moedas tradicionais.


Quer conhecer mais sobre bitcoin? Continue mais seu aprendizado ao ler:


Blog Binance
Notícias e atualizações da maior exchange de criptomoedas do mundial
Feb 06
2021
Qual é o lastro do Bitcoin?


Assim como o bitcoin possui uma enorme comunidade que apoia e incentiva o uso da moeda, há um outro grupo de pessoas que insistem em levantar questionamentos sobre o ativo. O contraponto de opiniões é válido porque ajuda a entender os pontos positivos e negativos da tecnologia, além de gerar dados que podem ser usados para a evolução do mercado.

Um dos mais conhecidos questionamentos em relação ao bitcoin é sobre lastro. Afinal, o bitcoin precisa de um lastro? O que isso quer dizer? Como funciona o lastro com as moedas do governo?

Ao ler este artigo, você vai ter estas e outras perguntas respondidas!


O que é lastro?

Nem sempre o dinheiro teve o formato em notas de papel, assim como o conhecemos. Antigamente, produtos e serviços podiam ser pagos com metais preciosos, como ouro e prata.

Mas imagine como seria perigoso manter uma grande quantidade de ouro em uma mudança há séculos atrás, onde viagens eram feitas com carruagens e cavalos; sem contar na possibilidade de encontrar saqueadores pelo caminho.

Para reduzir os riscos do transporte dos metais preciosos e outros bens de valor, entidades faziam a custódia dos ativos e emitiam um certificado ao proprietário, que podia resgatar a mesma quantidade ao apresentar aquele certificado.

Pense como era mais fácil armazenar o documento de forma segura, além da facilidade de se locomover com um alto valor sem precisar de carruagens e mais pessoas para cuidar da segurança.

A possibilidade de emitir um certificado desses em um estado e resgatar a mesma quantidade de ouro em um outro estado, numa entidade que também legitimava a sua veracidade, flexibilizou e ajudou até mesmo o crescimento de cidades e economias.

Com o tempo, os governos começaram a emitir as notas de papel, que possui uma ideia bem parecida com o que vimos acima: cada país emitia as cédulas que representavam o valor que possuíam em reservas de ouro. Essa relação entre a reserva de ouro e o dinheiro emitido era o lastro.

Sendo assim, os países não podiam emitir dinheiro descontroladamente, já que para cada nota era necessário garantir uma reserva equivalente ao metal físico. Esse sistema monetário ficou conhecido como padrão-ouro.


As moedas do governo são lastreadas?

Antes de falarmos do bitcoin, é interessante entendermos o que aconteceu com o lastro das moedas estatais.

Principalmente em períodos de guerra, os países desrespeitaram o padrão de emissão que vimos. A fim de custear equipamentos de combate, o padrão-ouro era esquecido e mais dinheiro era gerado na ânsia de obter a vitória.

No final da primeira guerra mundial, as reservas de ouro de muitos países ficaram escassas ao usá-las com gastos militares durante o conflito, sendo inviável a continuação do padrão-ouro.

Em 1944, uma nova ordem monetária envolvendo 45 países definiu que o valor de referência para os países deveria ser o dólar estadunidense. Em resumo, esta ordem tentou viabilizar o dólar como o novo lastro para as moedas dos países participantes.

Mas outra guerra fez com que o novo padrão fosse descontinuado. Em 1971, o então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, abandonou o sistema de lastro em dólar para assim facilitar o custeio da guerra do Vietnã.

Desde então, as moedas estatais não possuem um lastro, sendo que as políticas econômicas e monetárias estipulam a emissão das moedas. Basta vermos o ano de 2020, onde trilhões de dólares foram impressos pelo mundo a fim de conter a pandemia da COVID-19.

Em 2021, os Estados Unidos estudam a emissão de quase dois trilhões de dólares de auxílios para a recuperação pós-pandemia. Não existe nenhuma reserva de ativos físicos que se relacione com essa emissão.

Hoje em dia, os governos emitem dinheiro simplesmente se baseando na confiança que o povo de sua nação dá ao estado, ou até mesmo ao forçar, por lei, que o dinheiro nacional seja usado. Assim, a era do dinheiro lastreado ficou no passado...


Afinal, o Bitcoin é lastreado?

Neste ponto, você já deve ter percebido que cobrar o lastro de uma criptomoeda em um mundo que não possui seu dinheiro estatal lastreado faz pouco sentido.

Além disso, o código do bitcoin foi criado com um sistema fixo de emissão de moedas. Diferente do que pode acontecer com as nações pelo globo, não é possível que uma autoridade ou governo decida emitir mais bitcoins.

O número máximo de bitcoins existentes serão 21 milhões de unidades. Sendo assim, o sistema monetário é fixo e previsível. A cada quatro anos, a taxa de emissão das moedas cai pela metade. Não é necessário pôr nossa confiança em pessoas, já que a interferência humana no protocolo do bitcoin não acontece como no sistema financeiro estatal.

A emissão controlada do bitcoin é um dos fatores que faz com que ele tenha se tornado um ativo atrativo aos investidores.

Vale a pena terminar lembrando que a emissão descontrolada de dinheiro fiduciário faz com que o poder de compra do dinheiro convencional seja menor. Uma das comprovações disso é a análise do aumento de preços após a criação de políticas como o “Auxílio Emergencial”. Como o bitcoin reduz o número de emissão com o passar do tempo, a tendência é que ele se valorize frente às moedas tradicionais.


Quer conhecer mais sobre bitcoin? Continue mais seu aprendizado ao ler: